Dai-me paciência!

A gente espera do mundo e o mundo espera de nós, Um pouco mais de paciência.
Desafios para algumas pessoas, virtude encontrada em outras, talvez uma das ações do fruto do Espírito Santo que seja a mais difícil de ser exercitada, a paciência parece estar longe de alguns de nós. Os significados encontrados no latim, a palavra Patientia, (Pati – aguentar, sofrer), e no grego Pathe (sentimento) nos ajudam a tentar compreender ou até mesmo justificar a ausência ou o exercício para exercê-la. O apóstolo Paulo ao apresentar o fruto do Espírito Santo (Gálatas 5.22), remete a longanimidade como uma das práticas daqueles/as que buscam viver a vida cristã. Como é difícil ser paciente em certas situações que fogem de nossas soluções. Se trouxesse alguns exemplos, talvez poucas linhas seriam ainda poucos espaços para registrarmos. Conheci uma senhora que a paciência era uma de suas virtudes latentes. Suas atitudes demostravam e ao mesmo tempo ensinava que para ser paciente é fundamental pararmos e ouvirmos a voz de Deus. E como é difícil nos silenciarmos. Creio que no silêncio além de nos encontrarmos com o Altíssimo, também nos encontramos com nosso “eu”. Nesse momento, a paciência requer amorosidade e generosidade; sentimentos que provavelmente nos esforçamos para agir com nosso próximo e nos esquecemos de nós mesmos. Concordo com o poeta quando menciona: a gente espera do mundo, e ele espera de nós, um pouco de paciência. Se cada um de nós procurássemos exercer mais a amorosidade e generosidade, iríamos conviver com nossas diferenças de uma maneira mais respeitosa e digna. Falar em diferenças abarca tantas questões que eu e você bem sabemos. Continuemos a pedir a Deus: Dai-me paciência Senhor! Ele é o exemplo de amorosidade e generosidade. Lembre-se disso da próxima vez.   Abraço fraterno.
 
. Patricia R. M. Marques
Pastora na Igreja Metodista em Santana
3ª Região Eclesiástica
 

Deixe seu comentário!

comments