Grite…solte a voz como trombeta…denuncie…acuse…

Os capítulos 58 e 59 do livro do profeta Isaías relatam  denúncias   contra as práticas religiosas presentes no culto.  Algumas dessas práticas continuavam iguais às realizadas no período do exílio. Era uma busca adoração a Javé distante das necessidades da comunidade. As celebrações contavam com muitas pessoas, mas vazias de piedade e de devoção. Discussões, discórdias, violências eram suscitadas devidas as diferenças na busca de Deus.  

Deus intervém, afirmando que a verdadeira religião é ir ao encontro das necessidades do próximo. Quem prática ações que consideram as necessidades do próximo, ou em direção a eles, esses sim podem gritar, Deus irá ouvir e atender.

A denúncia é registrada:

 

Todos confiam em coisas que não tem valor e só falam o que não é verdade… Seus passos levam para o mal e eles correm para derramar sangue inocente; seus planos são criminosos, sua estrada é feita de ruina e de destruição; Eles não conhecem o caminho para a paz; não existe direito em seus passos; fazem para si trilhos tortuosos: quem neles caminha não conhece a paz

Is. 59.4-8

 

Considerando  não só o momento cúltico, mas priorizando o encontro com Senhor,  o encontro conosco mesmos, e com o nosso próximo,  podemos  avaliar como temos buscado a verdadeira adoração.  A  adoração  em Espírito e em Verdade  ocorre quando nos tornamos “luz que brilha nas trevas”, (IS 58.6-8). A prática da verdadeira religião é a condição necessária para que possamos viver nossa missão libertadora.

Evidentemente Ele é a nossa Luz, e nos tornarmos luz, é termos consciência de que somos instrumento da vontade de Deus.  E a vontade de Deus é também anúncio e denuncia. Anuncio de que no reino de Deus o respeito, a fidelidade, o compromisso com a verdade, entre outras, são prioridades.

A denúncia? Essa sabemos bem.

Oxalá, os anúncios e as denuncias façam parte de nossas ações. Com consciência e respeito.

Com amor fraternal,

Pastora Patrícia

Deixe seu comentário!

comments